Barra de vídeo

Loading...

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Ex-motorista de Olarte revela detalhes de reuniões que antecederam cassação de Bernal

O MS Noticias teve acesso à integra do depoimento do ex-motorista do prefeito afastado Gilmar Olarte (PP) e Guarda Municipal Fabiano de Oliveira Neves, no qual detalha momentos de encontros políticos, citando valores e nomes de vereadores que participaram de reuniões que antecederam à cassação do prefeito Alcides Bernal (PP), ocorrida em março de 2014.
De acordo com o documento, o depoimento de Fabiano Neves ocorreu na data do dia 16 de setembro de 2015, às 9 horas, na sede do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), conduzido pelo promotor Marcos Alex Vera de Oliveira. Fabiano depôs como testemunha no Procedimento Criminal  Investigatório nº 18/2015 – Gaeco. No depoimento o ex-motorista deixa claro sua proximidade com o prefeito afastado Gilmar Antunes Olarte, que relata ter sido convidado por Olarte  para participar da campanha de Alcides Bernal em 2012, quando o progressista disputou a Prefeitura Municipal de Campo Grande. De acordo com o depoimento, após a posse de Bernal na Prefeitura, Gilmar Olarte nomeou Fabiano como seu assessor,  colocando-o para trabalhar, conforme o depoimento  na função de segurança pessoal , bem como em vários assuntos de interesse particular.
De acordo com o relato do ex-motorista, Gilmar Olarte havia acertado com Alcides Bernal  que assumiria a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social ( Sedesc), o que não ocorreu. À época Bernal escolheu como titular da pasta  Dharleng Campos, o que conforme o depoimento de Fabiano Neves estremeceu a relação entre Bernal e Olarte “culminando com o rompimento definitivo” entre ambos.  Segundo Fabiano, entre os meses de junho e julho Olarte iniciou aproximação com a ala de vereadores da Câmara descontentes com Alcides Bernal e conforme o ex-motorista “ começaram  as tratativas políticas a uma possível cassação do mandato de Alcides Bernal”.
Conforme o depoimento, nesse período Gilmar Olarte passou a discutir com os vereadores “ possíveis espaços políticos em caso de cassação de Alcides Bernal”, em encontros que, segundo Fabiano, ocorriam em estabelecimentos públicos da Capital.  De acordo com Fabiano, participavam das reuniões os vereadores  Edil Albuquerque (PMDB), Alceu Bueno e Ayrton Saraiva (DEM). Segundo Fabiano de Oliveira Neves o nome do empresário João Amorim era citado nas conversas. Conforme o ex-motorista, os  encontros entre Olarte e vereadores se intensificaram em dezembro de 2013, e a partir daí, segundo Fabiano, as reuniões passaram a ocorrer em residências, entre as quais na do ex-vereador Cristóvão Silveira (PSDB). Em outras ocasiões, segundo Fabiano, Gilmar Olarte também participou de reunião na residência de João Amorim. No depoimento Fabiano afirma que ao deixar a reunião na casa de João Amorim, Gilmar Olarte teria saído  de lá  com um envelope  pardo tamanho A4, o qual tinha um “ volume que aparentava ser dinheiro”. De acordo com Fabiano , nos dias que antecederam a votação da cassação do mandato de Bernal, Olarte participou de mais uma reunião na residência de João Amorim com outras pessoas, que não identificou.
No depoimento, Fabiano disse ainda que no mês de janeiro de 2014 não ocorreram reuniões, porém, no mês de fevereiro os encontros entre Olarte e vereadores foram retomados em uma chácara localizada no Bairro Chácara dos Poderes. Fabiano esclarece  que Olarte passou a utilizar o local como escritório político. Segundo o depoimento no local ocorreram reuniões como os vereadores Carlão (PSB), Gilmar da Cruz (PRB), Ayrton Saraiva (DEM), Edson Shimabukuro (PTB), e Juliana Zorzo, Coringa (PSD), Jamal Salém (PR), Grazielle Machado (PR), Edil Albuquerque (PMDB),Carla Stephanini (PMDB), Elizeu Dionísio ( PSDB), Chocolate (PTB), Paulo Siufi (PMDB). Conforme Fabiano, as reuniões demandavam sobre indicações de cargos em comissões e espaços em secretarias do Município. No depoimento, Fabiano Neves afirma ter ouvido em uma das reuniões acerto de valores para que os vereadores votassem  a favor da cassação de Bernal. Segundo Fabiano a quantia era de R$ 300 mil para cada parlamentar.
De acordos com Fabiano, outros vereadores  teriam acertado indicações em secretarias como Eduardo Romero ( Rede Sustentabilidade), João Rocha (PSDB), Otávio Trad (PTdoB)  Flavio Cesar ( PT do B), além  Chiquinho Teles (PSD) ter indicado diretoras de Ceinfs. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário